sexta-feira, 15 de março de 2013

Acumuladores Obsessivos-Compulsivos


Considerada um subtipo do Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC), a Acumulação Compulsiva tem como características principais a aquisição excessiva e a dificuldade de desapego. Atinge aproximadamente 5% da população mundial, e entre os tipos de acumuladores estão os acumuladores de lixo, de animais, de um tipo de objeto e de compras.

Acumuladores de lixo

Os acumuladores de lixo são considerados, além de doentes, um risco para a saúde própria e da sociedade. Tem como principal característica o acúmulo de lixo próprio ou alheio (objetos que outras pessoas já descartaram ao lixo) para uma 'eventual emergência'.
Para um acumulador, o que ele tem dentro de sua casa é de extrema necessidade, impossível de se jogar fora por ser interessante e dar conforto à sua vida. O entulho, na visão do acumulador, não é lixo, é a riqueza de sua vida. 
A limpeza do local pode ser considerada uma solução a curto prazo, porque só resolve o lixo daquele momento. Em poucas semanas, o acumulador terá recolhido novos lixos e deixado de jogar fora outros, voltando a viver em meio à sujeira.
 

Acumuladores de animais

A diferença entre um cuidador de animais e de um acumulador está na quantidade, finalidade e qualidade de vida dos animais. O cuidador tem um espaço próprio para os seres viventes e condições de higiene e alimentação adequadas à espécie. Já um acumulador, tem os animais como parte de sua vida, vivendo em condições insalúbres, pois as partes de sua casa não podem mais ser utilizadas para o fim pretendido, pelo excesso de animais espalhados, como por exemplo, a cozinha ou o dormitório, que estão ocupados por toda parte, além de cuidados insatisfatórios (pouca comida) e proliferação de doenças por falta de assistência veterinária. 
Geralmente, amigos e parentes consideram que a pessoa 'passou dos limites' e chegam a evitar visitá-la em consequência do odor, da sujeira e da falta de espaço.
 

Acumuladores de um tipo de objeto

A definição é muito parecida com um acumulador de animais: acúmulo excessivo de um objeto impedindo o bom uso dos cômodos da casa. Um colecionador exibe suas peças, um acumulador necessita delas para sobreviver. Há casos de pessoas que são obrigadas a se banhar, vestir e comer na casa de amigos, vizinhos ou parentes porque em sua casa não é possível sequer entrar.
Os tipos de objetos variam de pequenos, como botões, imãs, selos, latinhas até grandes como móveis, quadros e eletrodomésticos.
 

Acumuladores de compras

Os acumuladores de compras, ou compradores compulsivos, compram sem controle quando saem às ruas. Na maioria dos casos, o acumulador dá preferência à brechós e lojas de preços baixos, para poder comprar mais. Compram por impulso, sem pensar se o objeto tem utilidade ou não, e  dificilmente o usam, deixando-o guardado na própria embalagem ou dentro da sacola. Tendem a pensar que um dia poderão usar o que compraram, e por isso, nunca se desfazem do material. Nas lojas, cedem facilmente ao apelo do vendedor, principalmente se estão dominados por sentimentos negativos, entristecidos, com baixa autoestima e dificuldades de relacionamento. Esse descontrole acarreta em um prejuízo financeiro, que muitas vezes, pode afetar seu relacionamento afetivo e social.
 
 

As Causas da Acumulação Obsessiva-Compulsiva

O acumulador compulsivo não nasce com a patologia, porém, ela pode surgir e se desenvolver em consequência de um trauma, gerando assim a pertubação mental. Alguns desses traumas pode ser relacionado com a morte de um familiar ou companheiro, dificuldades econômicas, conflitos pessoais ou profissionais ou, no caso dos idosos, pode ser pelo fato de não saberem lidar com alguma mudança ou com a solidão.
 
 

O Tratamento

 
Para um acumulador compulsivo, não há nada de errado com a sua atitude, sintoma que faz parte da doença. Hoje, a Terapia Cognitivo-Comportamental é a mais indicada para o problema, combinada ou não a uma medicação antidepressiva.
A terapia concentra-se em localizar as causas da acumulação compulsiva, sendo as raízes da ansiedade. Ao fazê-lo, é possível mudar aos poucos o pensamento da pessoa afetada. O tempo da terapia é variada, mas pode ser que dure anos dependendo do caso,  e exige grande dedicação do paciente em seu processo de recuperação, mas permite que um acumulador compulsivo retome ou aprenda hábitos de uma vida normal.
 
 
 
 
Para mais informações, escreva!
 
 
Cecilia A. Fazzio - Psicopedagoga e Terapeuta
@ceciliafazzio
 
 
 

6 comentários:

  1. Olá! Teria alguma indicação de livro sobre esse tema?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Posso indicar um blog sobre o assunto (http://www.obsessaocompulsiva.com/) e um site em inglês da Fundação Internacional sobre a Disfunção Obsessão Compulsiva (www.ocfoundation.org).

      Espero ter ajudado!!!

      Excluir
    2. Olá Cecilia. Minha mãe é uma acumuladora e estamos tendo dificuldades em lidar com a doença, que afeta a todos da família. Há algum lugar no Rio de Janeiro - RJ - que ofereça ajuda? Obrigada!

      Excluir
    3. Olá Thais, você pode procurar por um psicólogo que trabalhe com terapia comportamental, chamado também de TCC. O acumulador precisa reaprender o que de fato é necessário possuir, e descartar o resto. Espero ter ajudado!

      Excluir
  2. Cecilia, olá, eu sou acumuladora e gostaria de tratamento, já faço terapia e tomo remédios que o psiquiatra me passa, mas não está adiantando nada, fico muito incomodada com isso,eu sei do problema sei como resolver mas não consigo tomar atitude de fazer, gosto de tudo arrumado perfeitamente, e se não fica assim deixo de fazer, tem algum lugar onde possa me tratar gratuito pois não trabalho atualmente.

    ResponderExcluir
  3. Olá, entre em contato pelo e-mail ceciliafazzio@gmail.com ou pelo Skype live:ceciliafazzio, para que possamos conversar melhor. Fico no aguardo!

    ResponderExcluir